segunda-feira, 8 de maio de 2017

Gonçalo Sobral Martins: O sofisma ao qual somos alheios

Gonçalo Sobral Martins: O sofisma ao qual somos alheios: Enunciam, por aí, que o melhor local do mundo São praias onde a infância se cruza com castelos. Declaram, confiantes, tamanha dissertaç...

quarta-feira, 1 de março de 2017

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer: [Declamação do poema por Gonçalo SM] Outrora, apeteceu-me um abraço teu. Daqueles abraços de urso, que despertam a magia de u...

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Gonçalo Sobral Martins: O silêncio das palavras imaginadas

Gonçalo Sobral Martins: O silêncio das palavras imaginadas: Os poetas dizem tudo o que já foi dito. E aqui figura a beleza da poesia. Até pode ter sucedido, mas não estou recordado de algum poeta ter...

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer: [Declamação do poema por Gonçalo SM] Outrora, apeteceu-me um abraço teu. Daqueles abraços de urso, que despertam a magia de u...

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer: [Declamação do poema por Gonçalo SM] Outrora, apeteceu-me um abraço teu. Daqueles abraços de urso, que despertam a magia de u...

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer

Gonçalo Sobral Martins: O abraço que nunca deixei de [te] querer: [Declamação do poema por Gonçalo SM] Outrora, apeteceu-me um abraço teu. Daqueles abraços de urso, que despertam a magia de u...